Centro de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos Marçal de Souza Tupã-i

Centro de Defesa
da Cidadania e dos
Direitos Humanos Tupã-i

Marçal de Souza

Rua Juruena nº 309, Bairro Taquarussu
CEP: 79006 -050 Campo Grande - MS
Telefone(67) 3042 3440 Horário de atendimento 13h30 as 18h00

Fique por dentro

enviar
Para receber nosso informativo eletrônico por e-mail, digite seu e-mail no campo acima, e clique em "enviar".

Marçal de Souza

buscar
Digite uma palavra no campo acima e clique em "buscar".

O banguela dos labios de mel.

24 de junho de 2008

Marçal de Souza, TUPÃ I que por muitos chamado de Marçal Guarani nasceu no dia 24 de dezembro de 1920, foi brutalmente assassinado em 25 de novembro de 1983 no município de Antônio João foi um líder guarani que grande parte da sua vida lutou em prol de seus ?patrícios? (como gostava de chamar). Denunciando a exploração nas aldeias indígenas. Marçal de Souza foi vitima de perseguição por parte da funai e ate mesmo de outras lideranças indígenas.

Durante seu trajeto na luta em defesa das questões indígenas Marçal de Souza participou de diversos seminários, congressos e conferencias. Na luta por melhoria nas condições de vida de seu povo, chegou ate mesmo a discursar para o papa João Paulo ii em 1980 em Manaus na primeira visita do Pontífice. Em seu discurso falou sobre a invasão dos territórios indígenas, disse também, sobre os anseios da comunidade indígena brasileira e pediu para que o papa levasse seu clamor ao mundo, Marçal de Souza participou do congresso nos (EUA) da ONU (organização das nações unidas) e do filme ?terra dos índios?.

Por sua rebeldia em denunciar e lutar pelos direitos de seu povo, ganhou diversos inimigos principalmente fazendeiros, no mesmo ano da visita do papa no Brasil tupã-i (DEUS PEQUENO) já transferido pela funai (fundação nacional do índio) agora morando na aldeia Pirakuá no município de Antônio João, se envolve na luta pelas terras da aldeia naquela localidade, que era contestada pelo fazendeiro Libero Monteiro que considerava aquela área pertencente a sua fazenda que era vizinha a dos índios, após diversas ameaças e intimidações em 1983 no dia 25 de novembro é assassinado com 5 tiros o líder indígena Marçal de Souza, crime que houve repercussão internacional, por muito tempo ficou sem solução, e como protagonista da historia e principal acusado de ser o mandante o fazendeiro Libero Monteiro, que como no pais da impunidade 10 anos após sua morte em 1993 foram julgados os principais suspeitos Libero Monteiro de Lima e Rômulo Gamarra que acabaram absolvidos. Marçal de Souza foi um defensor incansável, e que deixou seu nome registrado na historia.

No próximo dia 25 de novembro completa 25 anos de sua morte. Marçal de Souza esta enterrado em dourados, terra que viveu por bastante tempo e que deixou familiares, seu corpo esta sepultado no cemitério santo Antônio de Pádua. A luta de Marçal de Souza alarmou e acendeu a importante valorização e preservação dos povos indígenas, Marçal foi um dos vários lideres assassinados na luta pela terra. Pessoa lembrada por Darci Ribeiro em diversas escritas, foi também membro da igreja presbiteriana, enfermeiro, aculturado, interprete da língua guarani, conhecedor de diversas línguas estrangeiras. Marçal já previa seu fim, Um pouco antes da sua morte ele teria dito: "sou uma pessoa marcada para morrer, mas por uma causa justa a gente morre...".
 
Fonte:
CIMI
Evandro Santos Pinheiro

CDDH-MS

Veja mais

CDDH-Marçal de Souza

Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial
deste website sem autorização.