Centro de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos Marçal de Souza Tupã-i

Centro de Defesa
da Cidadania e dos
Direitos Humanos Tupã-i

Marçal de Souza

Rua Juruena nº 309, Bairro Taquarussu
CEP: 79006 -050 Campo Grande - MS
Telefone(67) 3042 3440 Horário de atendimento 13h30 as 18h00

Fique por dentro

enviar
Para receber nosso informativo eletrônico por e-mail, digite seu e-mail no campo acima, e clique em "enviar".

Notícias

buscar
Digite uma palavra no campo acima e clique em "buscar".

A PAIXÃO DE JESUS E A DOS POVOS INDÍGENAS DO SERTÃO DE ALAGOAS

11 de abril de 2009
Os povos indígenas do Brasil vivem uma peregrinação de 500 anos de sofrimento, desrespeito e espoliação de suas riquezas naturais e culturais. Tiveram milhões de seus parentes massacrados e etnias exterminadas por todo tipo de violências. Mesmo nos tempos modernos, chama a atenção que esses povos sofrem com os meus ataques do período colonial!
No sertão de Alagoas vivem os povos Jeripancó, Karuazu e Katokinn no município de Pariconha; Kalankó, Água Branca e Koiupanká, em Inhapi. Há décadas lutam em defesa dos seus direitos, principalmente a demarcação da terra, educação e saúde. Mas o resultado é mínimo!!!
Destacam-se os Kalankó e Katokinn, cansados de acreditar nas promessas dos sucessivos governos, resolveram arriscar a própria vida e retomaram parte de seus territórios, entre 2008 e 2009. Mas mesmo com essa atitude extrema, os representes dos órgãos os ignoram! Estão lá abandonados à própria sorte, sofrendo a paixão de Cristo, celebrando seus rituais de penitência em seus terreiros.        
Quaresma é um período de profunda reflexão, conversão e de mudança de vida. À semelhança de Jesus Cristo que se entregou totalmente ao reino de Deus, seus discípulos devem também os seus passos. Doar-se não pode limitar-se à boa intenção, mas é uma atitude radical e concreta em prol de uma Grande Causa.
   No contexto atual, o mundo vivencia uma crise de ordem econômica, social e ética. O sonho pregado pelos neoliberais transformou-se em pesadelo para a humanidade. Guerras, conflitos, bolsas de valores e mercados financeiros em queda. Povos e nações morrem por uma causa sem Causa.
O lema da Campanha da Fraternidade instiga a repensar o sentido de viver imerso em tanta violência: A Paz é Fruto da Justiça. Quando se dá esmola a um pedinte, precisa-se perguntar por que o meu irmão está com fome, quando sobra muito nas mãos de poucos? Não dá para amaciar a consciência com um simples tostão.
A Paz é construída com o reconhecimento e conquista dos direitos dos trabalhadores sem terra, dos povos indígenas retornando para seus os territórios tradicionais, as mulheres andando de mãos dadas com os homens e as crianças brincando livremente em seus lares, ruas e escolas; quando os trabalhadores e trabalhadoras puderam dormir sabendo que seus empregos e o bem-estar de suas famílias estão garantidos. Finalmente, quando a juventude sair das ilusões das drogas e voltar a lutar por Utopias de justiça, de paz e de comunhão! Somente assim, a paixão de Jesus e da humanidade se transformará em Ressurreição cósmica.
                                                                                    
                                                                                          Jorge Vieira
Jorge Vieira

Veja mais

CDDH-Marçal de Souza

Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial
deste website sem autorização.