Centro de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos Marçal de Souza Tupã-i

Centro de Defesa
da Cidadania e dos
Direitos Humanos Tupã-i

Marçal de Souza

Rua Juruena nº 309, Bairro Taquarussu
CEP: 79006 -050 Campo Grande - MS
Telefone(67) 3042 3440 Horário de atendimento 13h30 as 18h00

Fique por dentro

enviar
Para receber nosso informativo eletrônico por e-mail, digite seu e-mail no campo acima, e clique em "enviar".

Notícias

buscar
Digite uma palavra no campo acima e clique em "buscar".

Máquina derruba paisagem e preocupa moradores da Carlota

28 de julho de 2009

Máquinas da prefeitura derrubam eucaliptos em área que é referência na região da Vila Carlota, em Campo Grande.

Na praça do bairro, onde o matagal já tomou conta do espaço público, a paisagem começa a mudar. Parte das árvores já foi removida, porém, o Preto Velho, monumento que dá nome ao local, será preservado, segundo revelou o encarregado da obra do município, o início da construção do Parque Linear do Cabaça, que envolve Vila Ieda de Carlota.

Para que obras sejam concluídas, é feito o desmatamento que coloca em alerta cerca de 30 famílias que vivem perto da praça e também serão removidas do local.

Sem saber para onde vão, elas reclamam da perda da história, já que muitas nasceram e cresceram no bairro.

A professora Marlene Ferreira Lima, 54 anos, conta que herdou da mãe a casa na Vila Carlota, onde nasceu e foi criada. “É como se fosse a nossa raiz”, enfatiza Marlene.

Ela ressalta que a mãe já faleceu e que sonhava em deixar o imóvel para os filhos. No entanto, deverá se mudar, porém, ainda não foi comunicada oficialmente.

Segundo Marlene, a única informação que receberam acerca da retirada das famílias do local veio de um funcionário da prefeitura que foi fazer a medição das ruas. Ela teme pelas perdas em valores sentimentais e materiais.

Para Marlene, o ressarcimento não será no mesmo preço do imóvel. Ela destaca que a casa onde mora é bem localizada, portanto, não acredita que receba uma quantia suficiente para adquirir residência em "um bairro tão bom".

O funileiro José Carlos Ferreira da Silva, 46 anos, está há 26 anos na região e agora terá que se mudar. Ele conta que construiu a vida e criou os filhos na região, por isso, reclama da “novidade”.

“Aqui tem um valor sentimental. Nós nem sabemos quanto vamos receber, mas não tem dinheiro que pague o que construi aqui”, diz.

Progresso - Já a contadora Rosimar Martins, 31 anos, mora na área onde não haverá remoção. A família dela está há 40 anos na Vila Carlota e, embora sinta a perda dos amigos, comemora o progresso.

“Fico triste pelos nossos vizinhos, já estamos acostumados com eles. Mas será bom porque vai trazer melhorias para o bairro”, completa.

Mudança - A Prefeitura recorreu à Justiça e conseguiu decisão favorável para concluir o processo de desapropriação da área onde será construída uma avenida marginal e o parque linear no Córrego Cabaça, o que deve custar R$ 3,8 milhões em pagamento para 107 pessoas que têm imóveis na região, inclusive pessoas físicas.

Houve acordo apenas com 50% dos proprietários de áreas, por isso foi preciso acionar a Justiça para resolver o impasse com quem houve litígio ou depende de inventário.

A obra vai ligar a região da Universidade Federal a Avenida Spipe Calarge.

A prefeitura pretende concluir neste mês a fase de desapropriação para dar início à obra no mês de agosto.

A prefeitura solicitou prazo para levantar a situação dos moradores que reclamam pela falta de informação sobre o destino após as obras.

CDDH-MS

Veja mais

CDDH-Marçal de Souza

Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial
deste website sem autorização.